Arquivo para mídia

Love Is In The Air: A Arte em Vinil de Carlos Aire

Posted in ESCULTURAS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/09/2010 by Adriana Almeida

O espanhol Carlos Aires que hoje divide seu tempo entre a Espanha e a Bélgica e é mais conhecido por seu trabalho como fotógrafo, resgata a mídia de um tempo, para alguns remoto, para outros, bem recente, e faz arte com os discos de vinil que foram aposentados pela era do CD.

O projeto foi batizado como “Love is in the air”, em uma referência a um disco de John Paul Young, de 1977, que foi hit, e hoje é quase um ícone da época. Os discos são milimetricamente cortados com laser sob a forma de silhuetas, o que já seria interessante por si só, dada a perfeição do corte e o aspecto divertido do resultado. Mas em adição, as formas escolhidas estão intimamente ligadas ao título ou conteúdo do disco usado como matéria prima, brincando com conceitos e idéias da época vistas sob o prisma dos dias atuais, de uma forma extremamente bem humorada e crítica. O disco “Touch Me”, por exemplo, se vê transformado em um homem musculoso, e assim sucessivamente.

Como um extra no interesse desse trabalho de Carlos, que é conhecido pelo seu gosto por uma polêmica, boa parte das silhuetas foram cortadas segundo um curioso critério: em uma busca no google com as palavras “Pornografia” e “Catástrofe”, ele selecionou fotografias aleatórias que iriam dar forma ao disco de vinil, relacionando-as com o título do álbum. Um complexo trabalho de associação, com uma mensagem subliminar pra lá de controversa.

Portfólio: carlosaires.com

Portfólio: carlosaires.com

Livros com Frete Grátis nas compras acima de R$ 39! - Submarino.com.br

Sandalism: Quando a Areia Ganha Vida

Posted in ESCULTURAS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18/08/2010 by Adriana Almeida

Em Londres, seja na calada da noite ou em eventos mega badalados, uma nova forma de arte, ou melhor dizendo, uma velha forma de arte ganha ares contemporâneos e um novo nome. Os velhos castelos na areia se modernizaram e agora se chamam Sandalism, uma junção de Sand (areia) com vandalismo, mas um “vandalismo” saudável e artístico…

Um belo dia, ao chegarem para trabalhar, operários inglêses encontram seus montes de areia para construção, transformados em verdadeiras obras de arte, sem terem sequer a menor idéia de como elas haviam surgido. As esculturas feitas de areia ganharam a atenção do público e da mídia, se tornaram um movimento artístico e maravilharam operários, transeuntes locais e turistas pelos últimos 2 anos, quando o movimento parece ter começado.

As esculturas são efêmeras, desfeitas pelo vento ou pelo trabalho que recomeça no dia seguinte, mas falam diretamente ao público que passa atribulado por seu cotidiano, e desperta sorrisos de encantamento e admiração no meio de dias cinzas. Zara Gaza, uma das expoentes desse movimento, orgulhosa de provocar sorrisos nos moradores londrinos diz: “Sempre fui interessada em arte de rua e em algo que as pessoas tivessem fácil acesso”.

Portfólio: sandalism.co.uk

Portfólio: sandalism.co.uk

Livros com Frete Grátis nas compras acima de R$ 39! - Submarino.com.br

Erika Iris Simmons e sua arte com fitas K7

Posted in FOTO ENSAIOS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/02/2010 by Bronx1985

Considerada como uma das revelações norte americanas no campo da arte contemporânea, Erika Iris Simmons, auto-didata, tem atraído muita atenção da mídia e de outros artistas com o seu curioso trabalho com fitas K7. Trabalho este que, além de toda a qualidade e expressão visual inerente, reforça a idéia de que o que vai para o lixo pode sim ser reutilizado para muitas outras atividades,se tomarmos como princípio o já não mais uso de fitas K7 no mundo moderno.

Erika meticulosamente vai dando forma aos mais variados retratos de personalidades de filmes e do mundo da música.

Perguntada sobre o porquê de arte com fita K7, Erika respondeu:

“_ Eu amo a nostalgia do arcaico e espero que nem tudo o que sobreviveu a sua utilização vai para o lixo.”

Portfólio: iri5.com

Portfólio: iri5.com

%d blogueiros gostam disto: