Arquivo para mendigo

A Vida Tenebre e Angustiante sob a Ótica de Lee Jeffries

Posted in FOTO ENSAIOS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/07/2011 by Bronx1985

Fotógrafo baseado em Manchester, UK, Lee Jeffries retrata a vida dos menos favorecidos como ela é. De tendências obscuras, ângulos arrebatadores e representações fúnebres, suas fotografias chamam a atenção para a desigualdade social ainda existente em pleno século XXI em países tidos como desenvolvidos como Inglaterra e Estados Unidos.

Através de uma técnica básica, porém muito bem resolvida, de captação de retratos de mendigos previamente selecionados e posterior manipulação das imagens em Photoshop para fins inserção de efeitos de luminosidade e cores, Jeffries dá vazão a incríveis fotografias que chegam a transmitir a angústia e real necessidade de ajuda dos modelos então em destaque.

Interessado em chamar a atenção da sociedade e autoridades para a questão da desigualdade social no meio capitalista, o fotógrafo britânico muitas vezes é citado pela crítica especializada como um grande colaborador em questões de mobilização de ajuda para os menos afortunados, visto que seu trabalho também muitas vezes é destaque em revistas e periódicos de assuntos de ordem de relações sociais humanas.

Portfólio: flickr.com/leejeffries

Portfólio: flickr.com/leejeffries

A Crítica Visão de Mundo dos Grafites de Specter

Posted in PINTURAS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/04/2011 by Bronx1985

Influenciado pela arquitetura, política, cultura local, realidade sócio-econômica ou qualquer outra situação que de alguma forma contribua para a concepção da suas pinturas a lá arte de rua, os grafites do nova iorquino Specter refletem de modo criativo e subjetivo a realidade de uma sociedade consumida por hábitos fundamentados em costumes degenerativos e egocêntricos.

Através de uma técnica sem muitos segredos de pintura estilo “urban art”, Specter dá forma a representações de pessoas em situações comuns (degradantes) à vida em grandes metrópoles, representações estas que chamam a atenção justamente por ali estarem inseridas de modo a levarem as pessoas questões sobre a importância de uma reflexão sobre pobreza, desigualdade social e preconceitos de ordens culturais.

De acordo com as próprias palavras do grafiteiro, seguem os motivos pelos quais ele faz o que faz: “_ Conectar o sujeito (homem real) ao objeto (vida) que o permeia, desta forma entendo a relatividade da importância do próximo em relação as nossas rotinas. Muitas vezes em situações que chegam a ser perigosas, vou a fundo no presenciar e entender e o que proponho a levar para a reflexão daqueles que não se permitem enxergar além dos vidros fechados de seus carros.”

Portfólio: specterart.com

Portfólio: specterart.com