Arquivo para Letônia

Anatomia Tribal, os Incríveis Desenhos Alex Konahin

Posted in FOTO ENSAIOS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/11/2012 by Bronx1985

Desenhista da cidade de Ventspils (Letônia), Alex Konahin é fino artista quando o assunto é a obtenção de detalhes incríveis através do uso inteligente canetas nanquim. Sua paciência e talento são de tamanha magnitude que suas composições chamam a atenção pelo curioso sentido de novo agregado a uma fonte já comummente utilizada no mundo da arte contemporânea, a anatomia humana.

Através de uma muito bem delineada técnica de grafagem em estilo tribal com o uso inteligente de caneta a tinta preta, Alex Konahin alcança detalhes até então anteriormente somente possíveis em sua imaginação, visto que algumas de suas composições chegam a demorar mais de horas para ficarem prontas tais como as aqui em exposição.

Com exposições recorrentes em seu país de origem, assim como Europa como um todo, interessante também é o portfólio do artista on-line disponível para apreciação, muito mais de sua obra pode ser encontrado digitalizado, o que somente contribui para a divulgação deste incrível trabalho que é o que o Alex Konahin executa.

Portfólio: behance.net/konahin

Portfólio: behance.net/konahin

Deserto Urbano, as Fascinantes Fotografias em Preto e Branco de Martin Stavars

Posted in FOTO ENSAIOS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/04/2012 by Bronx1985

As cidades, grandes organismos vivos, modernas, cosmopolitas e proporcionalmente tão cheias de habitantes quanto estes se encontram proporcionalmente tão cheios e afazeres e pressa, porém é sob a ótica do fotógrafo polonês Martin Stavars que estas cidades agora tornam-se lugares desolados, mergulhados em paz e serenidade que acabam por agregar as imagens propostas um interessante sentido poético.

Seguem palavras do próprio autor que resumem seu amor e explicitam como ele consegue tão fascinantes imagens: “Ultimamente, aumentarem os meus interesses por paisagens urbanas, onde também se é possível encontrar duas características marcantemente presentes na natureza – a harmonia e paz, visto que foi enquanto tirava fotos nas maiores cidades europeias que tive para desenvolver a virtude mais importante de um fotógrafo – paciência”.

Intuitivo, de um talento notável e interessante renome junto a comunidade crítica especializada em fotografia, Martin Stavars de fato é mestre na capturação de imagens únicas de cidades únicas, visto que em seu portfólio encontram-se visitadas (e clicadas) as mais importante metrópoles mundiais e países, tais como Paris, Barcelona, Hungria, Lituânia, Letônia, Bélgica, Holanda, Inglaterra, País de Gales, Alemanha, Irlanda, Portugal, Hong Kong, Singapura, Xangai, Tóquio, Canadá, Ártico, Groenlândia, Istambul e Dubai.

Portfólio: martinstavars.com

Portfólio: martinstavars.com

O Gênio Philippe Halsman, O Maior Fotógrafo do Século XX

Posted in FOTO ENSAIOS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/06/2011 by Bronx1985

Aclamado pela crítica como o maior fotógrafo do século XX, Philippe Halsman e suas fotografias traduzem o que há de mais vanguardista e inovador em um tempo onde a criatividade resumia-se a expor o mais do mesmo. Praticamente todas as grandes personalidades nas artes e entretenimento e uma longa lista de líderes mundiais importantes sentaram-se em frente à sua câmera, destaco aqui Pablo Picasso, Judy Garland, Marlon Brando, Winston Churchill, Steinbeck John, John F. Kennedy, Anderson Mariano, John Kenneth Galbraith, Ingrid Bergman, Aldous Huxley e Alfred Hitchcock dentre muitos outros.

Halsman nasceu em Riga, na Letônia, em 1906, e se mudou para Paris em 1932.Em 1936, ele era conhecido como um dos melhores fotógrafos de retrato na França, com capas de livros e revistas, fotografias de moda e demais comissões privadas em seu crédito. No verão de 1940, a carreira de Halsman chegou a um impasse, pois as forças de Hitler (88) invadiram Paris. Sua esposa, filha, irmã e cunhado imigraram para a América (eles eram franceses), mas como um cidadão da Letônia, Halsman foi incapaz de obter um visto. Finalmente, após meses de espera, Albert Einstein, um conhecido de Halsman que já estava nos Estados Unidos, interveio em seu nome. Halsman chegou à Nova York em novembro de 1940 com pouco mais além das suas câmeras para começar de novo, desta vez em sua terra natal adotada.

Mais do que palavras, é fácil identificar o talento para o fotografismo de Philippe Halsman, dadas as suas, no mínimo, marcantes imagens, mas é através de uma observação mais aguda que se identifica a verdadeira essência das fotografias do cara, estas marcadas pela sincera e intima relação que o mesmo mantinha com as suas câmeras, que só Halsman sabia manipular com tamanha peculiaridade e aguçado senso estético do belo.

Wikipédia: wikipedia.org/philippe_halsman