Arquivo para alusão

O crítico grafite inverso do brasileiro Alexandre Orion

Posted in PINTURAS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 07/04/2010 by Bronx1985

“Cidades estilhaçadas, estiradas ao longo de ruas vazias nas quais se alinham construções idênticas e onde a paisagem urbana (o deserto) diz: _ Estas ruas são feitas para se dirigir tão rapidamente quanto possível do trabalho para casa e vice-versa.  São ruas para passar, não para viver.”  André Gorz – A Ideologia Social Do Automóvel

É neste contexto e reflexão que se insere o crítico grafite inovador ao inverso do brasileiro Alexandre Orion, seu trabalho (arte) consiste unicamente pela limpeza de estruturas internas de túneis urbanos, Orion, com um pano branco em mãos que faz o papel de jet (pincel) e uma máscara para se proteger da poluída atmosfera presente no interior dos túneis dos grandes centros cosmopolitas brasileiros, vai aos poucos desenhando (representando), uma a uma, caveiras estilizadas no maior “traço  grafite” ao longo da vias subterraneas escolhidas,.

Tudo em alusão e crítica à sujeira e poluição que é o ar das grandes cidades nos dias de hoje, cidades estas de forma precariamente limpas e conservadas, ocasionando uma depreciativa qualidade de vida e até mesmo uma longevidade cruelmente encurtada por problemas respiratórios e psicológicos.

Portfólio: alexandreorion.com

Portfólio: alexandreorion.com

A arte projetada em lixo de Tim Noble e Sue Webster

Posted in FOTO ENSAIOS with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/03/2010 by Bronx1985

Formados no curso de Belas Artes na Nottingham Trent University, na década de 80, Tim Noble e Sue Webster desafiam os mais conservadores no campo das artes visuais quando propõem um trabalho fundamentado originalmente em lixo, literalmente.

Através de uma técnica básica de reunião e aglutinação de lixos encontrados pelas ruas das grandes cidades, seguida de uma luz direcionada sobre a pilha de lixo, obtem-se, como resultado, uma sombra projetada sobre uma parede, sombra essa que remete-nos as mais variadas representações de seres humanos e de animais.

De uma forma tão bem humorada quanto inovadora, Noble e Webster querem nos fazer pensar sobre o problema do lixo urbano nos grandes centros metropolitanos e as consequência do contínuo acúmulo dos mesmos, de forma a trazerem, através das sua sombras projetadas, representações de ratos e de seres humanos em atitudes de deboche e descaso com a situação.

Perguntado sobre como defini-se sua arte, Tim Noble descreveu-a como seu “pior pesadelo”, fazendo direta alusão a questão de até que ponto o homem precisa chegar (trazer lixo das ruas e empilhá-los sobre em galeria de arte) para lembrar o próximo sobre o que estamos fardados a colher como frutos da nossa irresponsabilidade socioambiental de hoje.

Mais sobre o casal: wikipedia.com/tnobleswebster

Mais sobre o casal: wikipedia.com/tnobleswebster